Como funciona o financiamento estudantil

Tempo de leitura: 4 minutos

Não são todas as pessoas que possuem facilidade para ingressar no ensino superior, dificuldades financeiras podem fazer com que o sonho de ingressar em uma faculdade seja adiado. É por esse motivo ou quaisquer outros que impeçam a entrada no ensino superior que existe o financiamento estudantil.

O financiamento estudantil é uma maneira que o estudante tem para conseguir pagar as mensalidades do seu curso superior com um prazo maior e valores reduzidos. Saiba mais sobre o financiamento estudantil.

 

Como funciona o financiamento estudantil?

O financiamento estudantil é um empréstimo que o estudante faz para conseguir ingressar em um curso superior com os benefícios de financiar seus estudos. Dessa maneira, o estudante tem uma garantia maior de que ele concluirá seu curso.

Ao solicitar o financiamento, o estudante passa por uma avaliação de crédito, se a sua solicitação for atendida, ele financia totalmente ou parcialmente os seus estudos, isto é, o estudante pode financiar todas as mensalidades do seu curso ou apenas metade delas.  A dívida deve ser quitada em um prazo estipulado após o término do curso, geralmente o estudante começa a quitar a sua dívida no ano seguinte à conclusão de sua graduação.

O financiamento estudantil pode ser público ou privado, o FIES, por exemplo é uma opção de financiamento público concedido pelo governo federal, o financiamento privado é concedido por bancos, empresas ou instituições. Algumas faculdades, inclusive, concedem um financiamento próprio para os estudantes nela matriculados.

Cada financiamento possui critérios, juros e taxas correspondes, o financiamento público tem taxas de juros menores do que o financiamento ofertado pelos órgãos privados, a taxa de juros do FIES é de 6,5% ao ano para todos os cursos.

É válido ressaltar que um dos critérios para financiamento pelo FIES é a participação no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) com a obtenção de nota igual ou superior a 450 pontos e nota maior que zero na redação, também há um limite de renda definido. O critério de renda e da participação do ENEM não é exigência de grande parte dos financiamentos privados.

 

Financiamento próprio

Como dito acima, algumas faculdades possuem seus próprios programas de financiamento estudantil, com regras específicas. A FAESF possui seu financiamento próprio chamado PAPS, Plano de Ampliação do Parcelamento das Semestralidades.

Com o PAPS o aluno financia sem juros o valor do seu curso, aumentando o tempo para pagamento e reduzindo o valor das mensalidades.

Estudantes regularmente matriculados na FAESF, sejam eles ingressantes ou veteranos, alunos que solicitaram transferência de outra instituição, bem como estudantes portadores de diploma de ensino superior podem participar do PAPS.

Para fazer a inscrição no PAPS é necessário aguardar a divulgação de seu edital, posteriormente o estudante pode se candidatar e entregar seus documentos e candidatura no Controle Acadêmico. Toda a documentação e os passos para inscrição são indicados no edital. Em seguida, o estudante precisa aguardar o deferimento ou indeferimento de sua solicitação. Se a solicitação for aceita, o estudante assinará o contrato do PAPS e deve renová-lo semestralmente.

O PAPS fixa um valor acessível para as parcelas das semestralidades, dependendo da duração do curso as quais serão pagas durante a permanência do acadêmico na instituição, bem como após o término do curso, até que se cumpra o número de parcelas fixadas no Contrato de Parcelamento, firmado entre o acadêmico e a Faculdade.

 

Agora você já sabe que é possível fazer o seu curso superior com o auxílio de um financiamento estudantil. É necessário, no entanto, ter a consciência da existência de juros para o pagamento da dívida, por isso é importante pesquisar antes de assinar um contrato.

O estudante tem a oportunidade de frequentar um curso superior com um custo mensal acessível com um programa de financiamento. Informe-se com a sua faculdade para saber se ela possui um programa de financiamento próprio, como o PAPS da FAESF, eles podem ser mais acessíveis do que o financiamento com o governo, banco, empresas ou instituições.

Um conselho: seja qual for o tipo de financiamento escolhido por você, esforce-se durante o curso para adquirir conhecimento, participe de projetos e pesquise por estágios. Um diploma de graduação nem sempre é acompanhado de um emprego imediato e você poderá ter complicações financeiras para quitar sua dívida, por mais que os valores mensais sejam baixos. Aproveite bem a sua graduação para colher grandes resultados em seguida!

 

Gostou do texto? Deixe seu comentário abaixo!